terça-feira, 3 de julho de 2018

Eu vejo a esperança

Não me culpe por não sentir amargura...
Isso não faz de mim menos intenso.
Tenho o amor como aliado
E dele, faço minhas revoluções.
E mergulho sempre profundo
Só que em águas limpas...
Outras armas...
As minhas disparam flores coloridas, vermelhas...
Que perfumam qualquer angústia.
Não me culpe...
Eu vejo a esperança de verde cor forte,
Eu acredito em céus azuis
E pássaros amarelos...
Deixe eu pintar o mundo com as minhas cores!
Quem sabe as borboletas renascem,
E o cinza brilha e se transforma em LUZ.
Saulo Fernandes