domingo, 27 de maio de 2018

Cais da alma

Sentado à beira do lago a vida passa, 
o tempo cessa e a espera desespera.
O reflexo brilha pela fresta que penetra
intimamente nas minhas entranhas.

À beira do tempo estão os girassóis
que embelezam o lago, 
exalando o seu cheiro
pelas turvas águas da vida.

Corro pela planície
que no reflexo do espelho, 
passa o meu passado e futuro. 
bebo esse presente.
e que ninguém me abandone
em plena solidão.

Na metade do tempo,
sou espera e na outra metade, 
desalento e cansaço.
Caminho numa urgência 
de quem muda o mundo
através de um único passo.

Sou caminhante imperfeito,
que aperfeiçoa sua busca 
a cada sonho realizado.
e é nesse encontro 
de sombra e cinzas
que me refaço
renascendo, dia após dia.
Gleidston César