segunda-feira, 5 de março de 2018

Alavanca de Arquimedes

A poesia é uma flecha por chegar ao seu destino
Um tigre no instante de alcançar a sua presa
Equilibrista sobre a corda, entre a vida e o desatino
Rio de águas revoltas derrubando uma represa

A poesia é o espelho entre um velho e um menino
Essa vela que se acende... essa outra ainda acesa
Uma tarde de verão: sombra fresca e sol a pino
Uma llovizna de inverno acinzentando a natureza

Muito mais que a voz, é essa alma que me pedes
Muito além da escrita, é um algo mais profundo
Balança em que não pesas; régua em que não medes

Fundo de poço... (mas de poço sem ter fundo)
Um poeta recitando, qual se fosse um Arquimedes:
Deem-me um poema, por favor, um só...
e eu moverei o mundo!
Autor: Martim César
© COPYRIGHT BY "RECANTO DA POESIA"
Todos os Direitos Reservados
conforme artigo (Lei 9610/98)
Cópias e publicações permitidas, 
desde que acompanhadas 
dos créditos ao autor.