segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Ser humano

A arma que faz a guerra. 
A guerra que traz a morte.
A criança que chora pela falta do pão e pelo leite não mamado.
A gota de lágrima que corre no rosto do ser traído.
A ferida que corrói pouco a pouco, todo o corpo.
A maldade humana e a certeza do ódio e crueldade.
O grito de liberdade que sufoca o pranto.
O abuso da velocidade, da corrupção que atrai sofrimento e que destrói vidas.
A bebida incontida sempre lamentada.
Os tóxicos destruindo corpos e almas.
A prostituição e pedofilia tão forte quanto à fome e a morte.
A destruição da vergonha e do ser humano.
A destruição do planeta o próprio habitat. 
E o ser humano tenta de todas as formas encontrar a fé, esperança que hoje em dia são vendidas em templos, igrejas e outros em nome de Deus.
E se o ser humano não luta, não se apega, a vida escapa.
E se escapa, some.
E se some, mata o homem.
A infidelidade é presença constante o respeito foi esquecido
A infelicidade, presença diária.
Está sempre marcando ponto, presença.
O que fazer?
Se nos afastamos tanto de Deus, a culpa é de quem?
Eis a questão: Se muitas vezes sofremos, penamos, nos sentimos miseráveis a culpa é de quem?
Tânia Mara
© COPYRIGHT BY "RECANTO DA POESIA"
Todos os Direitos Reservados
conforme artigo (Lei 9610/98)
Cópias e publicações permitidas, 
desde que acompanhadas 
dos créditos ao autor.